14 de fevereiro de 2010

Pré-adolescência

Hoje é dia dos namorados. Não é uma data que me faça muita comichão, independentemente de ter ou não namorado, contudo, estou particularmente nostálgica em relação a tal dia.

Passei a manhã a recordar os tempos das minhas primeiras paixonetas, lá com os meus onze, doze anos, e ri-me com as tragédias gregas que fiz de tudo aquilo na altura. Ri-me dessas borboletas no estômago que surgiam sempre que via o miúdo de quem dizia gostar. Ri-me dos primeiros beijos assolapados dados em grupo atrás da cantina. Ri-me desses pedidos de namoro em que o destino das nossas vidas ficava marcado através de uma cruzinha no “sim” ou no “não” de um bilhete sujo e amarrotado entregue sorrateiramente durante a aula.

Era a geração “Bravo” e “Super Pop”. A geração dos livros d “O Clube das Amigas”. A geração dos primeiros “Morangos com Açúcar”. Vivia-se experimentando novas sombras de olhos e o tamanho dos seios era um factor decisivo para a popularidade de cada uma. Não havia mais nada naquelas cabeças tontas senão lixo.

Só me ocorre pensar que estas criaturas, de ganchos coloridos no cabelo e de lábios encharcados de gloss, eram sem dúvidas seres insuportáveis. Ser pré-adolescente era, de facto, ridículo. E o pior é que na altura tudo isto fazia sentido.

6 comentários:

  1. Fogo, é muito triste (apesar de achar que toda a gente tem essa sensação) relembrar como eramos antes, como nos vestiamos, como pensavamos, mas faz sempre que sorrir imaginar se ainda fossemos assim hoje.

    Doce miudisse em que as cartas de amor eram metidas no caxifo, numa folha de caderno, com a questão simples: « Queres namorar comigo? Sim Não Talvez Ass. Admirador Secreto » e como tu não sabias quem era, não sabias onde deixar a resposta

    LOOOOOL, « velhos » tempos, parece que foi à uma vida

    ResponderExcluir
  2. Apesar de tudo, de termos sido extremamente ridiculas, dos poster's de boys band's comerciais nas paredes, das caras encharcadas de maquilhagem... sinto saudades desses tempos :)

    Já agora, tu seguias o meu antigo bloge achei que te devia dizer que esta é a minha nova conta :)

    ResponderExcluir
  3. LOOOL e também foi a altura em que me divorciei do Doraemon. Pobre de mim :P

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. E com o Elephant dos Gus Van Sant aqui ao lado, este texto faz ainda mais sentido :)

    O pior, falado pela minha experiência, é quando nos ficam marcas para o resto da vida que nao nos deixam esquecer os erros que cometemos. O melhor, foi aprender com eles x)

    ResponderExcluir
  5. estou completamente rendida ao teu blog :|
    sou a Rita, amiga da Soraia, já nem te deves lembrar :)

    ResponderExcluir